segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Onde quer que eu voe...


O sol se encontrava com o horizonte no poente e no céu duas aves trançavam em espirais imensas, sempre uma longe da outra.
Pensei: Deve ser um casal. Mas o que chamava a atenção não era tão somente a distância, mas sim a confiança de uma na outra...
Continuei minha viagem. Agora, olhava a estrada se movimentando tão rápido e me peguei sentindo imensas saudades e uma insegurança que até então eu nunca tivera.
O que me faltava? Asas? Liberdade? Não, tinha tudo! E eu velava as lágrimas inoportunas.
Sequei-as tão breve quanto elas caíram. O pranto vai atrapalhar este enigma que me vai na alma! - pensava eu.
Passou-se algum tempo, soube então, que havia razões naquelas saudades.
Continuo vendo aves no céu, a voltear. Seriam as mesmas que vi há três anos?
Não importa, hoje sei que o importante não é somente voar junto...
E sim saber que sempre, sempre haverão aves no céu.

4 comentários:

  1. Sempre haverá aves no céu.
    Muito bom.
    :*

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, eu passei num concurso no Pará, mas eu ainda não me formei por questões burocráticas e talvez eu não consiga tomar posse no cargo. Entrei com mandado de segurança e estou esperando o resultado.

    Quanto ao TJ/MA, o resultado, segundo ouvi dizer, ia sair depois do dia 15/10.
    Boa sorte pra vc tbm.

    ResponderExcluir
  3. "Não importa, hoje sei que o importante não é somente voar junto...
    E sim saber que sempre, sempre haverão aves no céu. "

    cara, eu adorei ler isso hoje .. completou o dia :)

    ResponderExcluir